Nome, idade, formação. (Complementares: Cidade/Estado, e seu manequim ex: veste 40).

Sou conhecida como “De Chanel”, tenho 27 anos e sou do RJ. Me formei – e sigo me formando – nas seguintes áreas: Lingüística, Relações Internacionais, Antropologia e Publicidade.

Por que resolveu escrever sobre moda?

De Chanel na Laje é um blog que fala, basicamente, de consumo. A idéia é compartilhar os meus pensamentos e opiniões, e convidar os leitores a debaterem vários assuntos de interesse para quem gosta de moda e está atento a temas comportamentais variados. Tento fugir do óbvio, afinal, nada é inquestionável e problematizar é preciso. Gostar de moda não significa criar uma religião em torno disso, engolir tudo sem processar, seguir qualquer tendência.

De onde veio esse “humor cítrico” que você utiliza no blog?

Sempre tive esse humor ácido e me divirto com ele. No blog procuro escrever textos bem-humorados porque considero que não dá para levar tudo tão a sério sempre. E eu deixo bem claro aos meus visitantes: “levar este blog muito a sério pode ser prejudicial à sua saúde. Levá-lo pouco a sério também. Você escolhe.”

Por que “De chanel na laje”?

Algumas pessoas vêem conotações marxistas no nome, pois acham que estou me referindo à luta de classes, enquanto outras acham que eu estou rindo de quem se veste bem mas mora mal. Não pensei em nada disso; esse foi o primeiro nome que me veio à cabeça e achei bem divertido. De Chanel na laje, porque a gente gosta de “gramour”, né?

Há quanto tempo você bloga? Já teve outros blogs? Quais?

Escrevo em blogs há alguns anos. Já tive outros blogs, sim, embora atualmente apenas mantenha o De Chanel na Laje e um blog pessoal, com acesso restrito a pessoas convidados por mim.

O que você acha dessa “ditadura da beleza”? A mídia ajuda a reforçá-la?

Como eu sempre digo no blog, sou a favor do culto à diversidade e à heterogeneidade. Vivemos numa era de encontros e intercâmbios entre diversos povos e culturas, então é lógico que qualquer padrão pré-definido que se exalte e se idolatre tem um caráter limitador e limitante. Por outro lado, percebo muita hipocrisia – e certo oportunismo – quando as pessoas que trabalham no meio tentam “combater” essa ditadura. Todas as sociedades têm – e sempre tiveram – o seu padrão de beleza, isso é inegável. Porém, nesse momento de globalização cultural, temos dois caminhos: podemos seguir homogeneizando o padrão de beleza ou podemos começar a valorizar de uma vez por todas a diversidade, como uma característica primordial dessa nova era. Para isso, precisamos trabalhar o nosso olhar, procurar a beleza a partir de novos ângulos, revolucionar alguns conceitos estéticos, sair da mesmice, ousar, arriscar.

Atualmente, qual é o cenário que você vê nos blogs de moda?

Acho que chegamos a um ponto de saturação, pois há muitos blogs iguais e com conteúdo repetido – e repetitivo – por aí. Muitas pessoas que têm blogs como um hobby estão trabalhando de graça para as marcas e não percebem isso. Mesmo assim, sou otimista. Acho que os blogs são uma excelente ferramenta para que muitas pessoas com algo realmente interessante a dizer encontrem o seu espaço e se dêem a conhecer. Pelos debates gerados sobre esse assunto no blog – num post que rendeu quase 800 comentários e que já faz parte dos corpora de no mínimo 3 pesquisas acadêmicas -, deu para perceber que há demanda para blogs com as mais variadas propostas e características. A chave para que tenhamos uma blogosfera brasileira de moda realmente fértil e potente está na diversidade de propostas e na originalidade do conteúdo.

Gostaria de saber sua opinião sobre o mercado e a indústria da moda brasileira.

Sinceramente, acho que ainda temos um longo caminho a percorrer para que a nossa indústria da moda seja realmente competitiva e aporte produtos verdadeiramente diferenciados no mercado internacional. Falta buscar respostas dentro de casa e não fora como sempre se fez. E buscar respostas dentro não significa necessariamente fazer o óbvio, o caricaturesco e o estereotípico. Existe muita gente boa e talentosa no Brasil, mas acho que falta um mercado fértil, aberto e competitivo para que essas pessoas possam desenvolver o seu trabalho e se destacar como merecem no mundo da moda. Na minha opinião, ainda falta muito para que a moda seja verdadeiramente democratizada no Brasil.

Quais outros blogs de moda você lê e indica?

Desde que criei o De Chanel na laje, tive a oportunidade de conhecer tantos blogs – eu nem imaginava que havia tantos blogs de moda no Brasil! -, que fica difícil indicar algum em especial. O que sempre indico é um grupo do Flickr chamado “What I wore today”. Várias pessoas fazem ilustrações incríveis dos seus visuais diários, é muito divertido acompanhar o grupo.O link é: http://www.flickr.com/groups/whatiworetodaydrawings/pool/

E se quiser, fique à vontade para fazer considerações sobre outros assuntos relacionados à moda e tal, é algo bem livre mesmo, priorizamos muito a opinião e a expressão dos entrevistados.

Gostaria de agradecer o convite à entrevista e convido todos os leitores do Jornal da USC a darem uma passadinha na minha laje virtual, onde todas as opiniões são valorizadas e bem-vindas. O endereço do blog é: https://dechanelnalaje.wordpress.com e o meu email é dechanelnalaje@gmail.com. Também estou no twitter: @dechanelnalaje. Obrigada!

 

Anúncios